15 março 2012

A amamentação

Encontrei este artigo que achei super interessante
Passo a transcrever:

" E agora o que fazer? Tire suas dúvidas....
Em artigos sobre a amamentação o foco sempre é o bebê. Mas e a mãe? Se ela não estiver se sentindo amparada e orientada, fica muito mais difícil a adesão dela ao aleitamento.
Em meus 30 anos de pediatria, não me lembro de ter visto tanta fragilidade como na mãe que amamenta, em especial a mãe de primeira viagem. Alegria, pânico, prazer, dor, felicidade, e mais uma dúzia de sensações contraditórias ocupam a mente e a emoção desta mãe.

Saída da maternidade

Receber alta hospitalar é um caminho de mão dupla, por um lado é gratificante porque sai de um lugar estranho e vai para um ambiente carinhosamente planejado, por outro lado é a sensação de total abandono por parte da mãe, que se vê sozinha com o bebê que ainda desconhece. Sem enfermeiras e sem a possibilidade de chamar o médico a qualquer momento, com a sensibilidade exposta ao máximo, ela está cansada.
Mãe, seu corpo mudou mais uma vez? Se durante a gestação houve a primeira mudança, agora está diante da segunda mudança. Onde não tinha "reservatório" de alimento agora tem. Algumas vezes amamentar dói. Dor e/ou mamilo ferido é sinal de que a "pega" está errada. Tente posicionar o bebê para sugar de forma confortável para ele e para você, lábio inferior dobradinho, mamilo na posição correta e a dor vai passar. Se já estiver ferido, o santo remédio é deixar tomar um pouco do sol da manhã diretamente no mamilo. Colocar um pouco do leite materno em volta do mamilo ao fim de cada amamentação também é eficaz. Isso faz a recuperação da pele muito mais rápida. Não use pomadas sem perguntar antes ao seu médico.
Amamentação
Na hora da amamentação traga o bebê até você: nunca se curve até o bebê, traga-o até você. Acolha-o de forma que ele se encaixe em seu colo e em seu seio. Se você se curvar a cada amamentação, muito rapidamente vai torcer para que a ciência descubra como fazer um transplante de coluna, porque irá destruir a sua em menos de trinta dias.

Mãe fica cansada sim, mãe pode ter sono, cansaço, vontade de ir ao banheiro como qualquer mortal. Quando o bebê dormir durma junto, ou estabeleça os seus horários fisiológicos, sempre que possível, para logo depois que amamentar. Nunca inicie uma amamentação, em especial à noite, sem que tenha antes feito "xixi". Isso é fundamental, embora não pareça. Se você sentir desconforto, seu bebê lerá isso em dobro. É como se ele pensasse "se ela que está aqui há tanto tempo e não sabe o que fazer imagina eu que cheguei agora"!
Para amamentar escolha um lugar da sua casa que seja confortável para você. Uma mesinha ao lado é prática e funcional. Tranquilidade na amamentação, sim; exageros, não. Há bebês que só mamam com tranquilidade quando o ambiente é silencioso. Não precisa exagerar, mas é sempre bom falar num tom agradável. Mas se as visitas lhe deixarem de alguma forma constrangida não hesite em pedir licença e ir para o seu cantinho de rotina. É um período que tanto a mãe quanto o filho precisam de privacidade e serenidade para estabelecer seus códigos e leituras.

Conselhos das comadres na hora da amamentação: bebidas com cevada, mingaus, remédios, nada faz a produção do leite aumentar, cooperam sim para o aumento de peso da mãe. A ingestão de água é o mais eficiente estimulante na produção de leite. Dobre a sua ingestão, principalmente nos dias frios.

A amamentação é difícil para muitas mulheres. Se for o seu caso, não se sinta culpada nem angustiada. Voltar para casa cansada, depois de um parto, com seios edemaciados, ou mamilos feridos, restrições em seus hábitos, leite e regurgitações o dia todo não é a mais romântica das situações. Mas, acredite, no momento em que o bebê lhe olhar, lhe identificar como mãe e der aquele sorriso desdentado, saudável, com todas as defesas em ordem - que você está repassando para ele com seu leite - nada neste mundo lhe fará mais feliz e plenamente realizada!"


Sem comentários:

Enviar um comentário